Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


...

por blogdocaixote, em 22.12.11

Aqui há uns posts atrás dizia eu que fodido não é o amor. Fodido é educar um filho. Mas, depois, pensando bem, é claro que é o amor que é fodido!

 

Educar é um ato de amor! Fodido como o caraças.

 

Como mãe, trago comigo uma quase constante sensação de erro e frustração. É um trabalho que só vai lá por tentativa e erro, desde o dia em os que levamos, ratinhos de dois quilos, para casa.

Se há momentos em que o cerébro consegue ativar várias hipóteses de atuação perante determinados comportamentos dos seres minorcas que nos desarrumam a casa, a alma e o coração, escolher uma e ter plena cosnciência dos possíveis resultados, outros momentos há em que se faz a primeira coisa que vem à cabeça e a seguir estamos nós a levar as mãos à cabeça, grande merda! que fui eu fazer?

 

Depois, com o segundo filho damos por nós a fazer coisas que nunca fizemos com o primeiro, porque sabemos que estão erradas, mas fazemo-las na mesma, porque estamos tão cansados que queremos é dormir e eu já estou a ver a Gr. dormir na nossa cama até aos sete ou oito anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:56


1 comentário

Imagem de perfil

marta-omeucanto a 29.12.2011

Que grande verdade!
A minha filha tem quase 8 anos e, sendo a primeira, tudo para mim era novidade.
Fui aprendendo a ser mãe, a ecucar a minha filha o melhor que conseguia e da forma que achava correcto, comentendo alguns erros pelo caminho.
E por vezes irrita-me profundamente, ouvir esta e aquela dizer "não devias fazer assim", "devias ter feito assado", "não estás a fazer a coisa certa", etc. É que até podem ter razão, até pode não ser a atitude mais correcta, e muitas vezes tenho consciência que certos comportamentos não são benéficos para o desenvolvimento das crianças, mas queria ver se estivessem no meu lugar, a ter que lidar com ela todos os dias. Talvez já não dissessem o mesmo. Falar é fácil, opinar e dar conselhos mais ainda, quando é para os outros, mas quando nos vemos nas mesmas circunstâncias, a coisa muda de figura!
E as crianças conseguem mesmo muitas vezes descontrolar o nosso sistema nervoso e vencer-nos pelo cansaço.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D