Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


ó mãe, dá....

por blogdocaixote, em 21.07.12

As ites estão de malas aviadas. Hoje deixo de tomar o antibiótico, devia ser amanhã, mas ando enjoada como se estivesse grávida e estou farta. A Mr. acaba hoje o dela.

A Gr., apesar do ranho constante, está bem.

 

Hoje fui com a Mr. ao centro comercial da esquina, tomar café e a rapariga fartou-se de me pedir coisas. Não é normal. Gosto de pensar que a estou a educar para dar valor ao que tem, por isso e porque não há dinheiro para muitas coisas, não lhe dou nem metade do que pede.

Hoje, pediu um gelado no café. Claro que não lho dei. Eram 11 da manhã. Depois, pediu um bolo. Como sei do que a casa gasta, acedi mas pedi ao senhor para o partir e pôr na caixa. Eu já sabia que ela ia dar-lhe duas dentadas e ficar satisfeita. Não me incomoda o facto. Sei que a rapariga com pouco se satisfaz e trouxe o resto para casa.

Depois, pediu para meter uma moeda numa máquina que dá brindes, umas sandálias da hello kitty e outra coisa que não me lembro. De facto, nunca me tinha pedido tanta coisa e espero que não seja uma "moda" prestes a começar. Coitada, já ouve tantos nãos e não me apetece "oferecer-lhe" mais ainda.

 

Quando eu era miúda, pedia algumas coisas, de vez em quando: um rebuçadito, no verão um epá e pouco mais.

Sabia que para outras coisas viria um não e não foi coisa que me tenha traumatizado.

Faz-me confusão o tipo de pais que dão tudo, com a justificação de que são coisas pequeninas e baratas. Sim, um rebuçado ou uma pastilha elástica, uma bola das que saem nas máquinas, são coisitas, mas se são oferecidas sempre que o puto ou a miúda pedem, que mensagem se passa?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:35


1 comentário

Sem imagem de perfil

AR a 08.08.2012

Pedir sabem elas, e eles!
Lá em casa éramos 3 irmãos. Apesar de nenhum ter o vício de pedir, a nossa mãe avisava-nos sempre antes de sairmos " Não peçam nada, pois a mãe não tem dinheiro". Nós entendíamos e não pedíamos.
A minha RRR, com 5 anos está programada para " eu quero", o problema é que não pode ser. Não pode ser porque a vida não o permite, mas sobretudo porque dar tudo não é educar.
Conheço jovens que foram habituados a ter tudo, quando acabaram as licenciaturas e arranjaram trabalho, o dinheiro não chegava para as extravagâncias e níveis de vida a que estavam habituados. Frustrações e frustrações...
Não privamos a RRR de tudo, mas mesmo que pudesse ela continuaria a ouvir muito NÃO.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D