Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


dos referendos

por blogdocaixote, em 17.01.14

Sou eu, a Gabriela, que não conhece o Martim de lado de nenhum, que tenho de decidir se o Martim deve poder ser adotado por um casal homossexual, se deve ir para uma instituição de acolhimento?

Sou eu que devo impedir a Manuela e a Joana de adotarem uma criança à espera há anos de uma família?

Sou eu que devo dizer que não senhor, o José não pode ficar com o pai que o criou se o pai verdadeiro morrer?

 

Referendar a adoção de crianças por casais homessexuais é para mim estúpido, para dizer o mínimo.

Um casal que reúna condições para adotar é um casal que pode e deve adotar, independentemente da sua sexualidade.

Não percebo como se pode ter o raciocínio distorcido de pensar que uma criança está melhor institucionalizada do que com uma família.

 

Se o José cresceu com dois pais ou com duas mães, no caso da morte de um dos elementos do casal, a permanência do José com o elemento que sobreviveu é uma coisa tão natural como as minhas filhas ficarem com o M., o pai delas, no caso da minha morte.

Sequer considerar outra hipótese é, para mim, completamente absurdo.

 

Posto isto, não percebo por que carga de água se fazem certos referendos.

 

E, mudando de tema, mas não mudando porque se trata também de referendar, adivinho um próximo sobre a legalização da IVG, imitando o que aconteceu na Espanha, que parece ter retrocedido uns quantos anos.

Brevemente, teremos aí associações, autoinstituídas como defensoras da vida, a apregoar a necessidade de rever a lei e a defender que elas ou outros é que devem decidir o que faço eu do meu corpo e da minha vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:54


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Margarida a 17.01.2014 às 15:12

Concordo contigo! É uma palhaçada!
Imagem de perfil

De blogdocaixote a 17.01.2014 às 20:32

Uma palhaçada, uma perda de tempo e de dinheiro, que isto de referendar é caro. Enfim...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D