Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


laços

por blogdocaixote, em 29.05.15

Quando a Mr. nasceu, foi levada para a incubadora. Vi-a pela primeira vez no dia seguinte, peguei nela pela primeira vez nesse dia seguinte, ao final da tarde, se a memória não me engana. Dei-lhe de mamar passados dois dias. Foram dias surreais.

 

Quando a Gr. nasceu, fiquei uma horita no recobro, à espera que as pernas voltassem a ser minhas. Quando saí do recobro, puseram-na em cima de mim, já lhe tinham dado suplemento (os cabrões) e fui com ela para cima. Estivemos sempre juntas e lembro-me de quase tudo.

 

À medida que foi crescendo, a Mr. não dava sinais de saber que eu era a "special one". Ficava com toda a gente, sem choros, sem fitas, quando eu regressava vinha para o meu colo como se o meu colo fosse mais um e houve uma fase, após o meu regresso ao trabalho, em que a "special one" era a avó. Foram dias tramados. Aquela caramela, para quem eu devia ser tudo, tratava-me como mais uma.

 

A Gr. dependia de mim para tudo e agarrava-se ao meu pescoço para que não a levassem do meu colo, na escola ficava o dia inteiro a chorar, primeiro, a choramingar depois, pela mãe.

 

Sem avaliar o que foi melhor ou pior a médio, longo prazo, para mim ou para elas, ninguém me tira a ideia de que foram aquelas primeiras horas após o parto que fizeram toda a diferença.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:57


3 comentários

Imagem de perfil

pequenosencantos a 29.05.2015

E tens razão. Está mais do que provado de que o contacto físico nas primeiras horas são importantes.
Imagem de perfil

trocatintas a 29.05.2015

Custa-me muito acreditar nisso embora sempre me tivessem dito que o momento da amamentação é importante para criar vínculos. Acredito, sim, que a Mr tem uma forma de se expressar diferente mas tu serás sempre tudo para ela, tal como para a Gr.
Eu amamentei o Dinis uma hora depois, quando eu ainda não conseguia saber onde era o meu peito e onde começava a boca dela (sim, foi assim tão mau) e estive sempre com ele, e ele tem fases de adoração-ódio. Aos 3 anos meteu uma mochila nas costas e queria que eu lhe abrisse a porta da rua porque ia "à procura de outra mãe"
Imagem de perfil

blogdocaixote a 02.06.2015

Dessas cenas ainda não tive, para já.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D